terça-feira, 13 de maio de 2008

O namorado da minha sobrinha comeu meu Cú

Quarta-feira dia em que durmo na cidade onde estudo,estava eu saindo da fakul, quando um carro para um pouco antes de onde venho caminhando, baixei a cabeça,mas quando fui passar pelo carro (com vidros escuros),ouvi alguém dizer:
- ta com pressa?Já ligou para o Maridinho?
Fiquei curiosa e tive que olhar para ver quem era. Reconheci o carro e ouvi um quer uma carona,era o namorado da minha sobrinha (vou chamar de H) com um sorriso nos lábios. Não estava longe da casa,mas lembrei do que tinha feito com ele na quarta-feira da semana passada e aceitei.
Entrei no carro e olhei fixo para o pênis, tinha um bom volume pelo que pude notar por cima da calça. Beijei o no rosto e agradeci por ele ter aparecido,era tarde e eu ñ gostava de caminhas sozinha à noite,riu de novo (sarcástico) e perguntou se eu já tinha ligado para o marido,respondi que tinha ligado do orelhão da fakul,pois estava sem crédito como quase sempre.
- quem sabe,então vamos dar uma volta? Beber algo?
- eu adoraria a idéia,pois sabes que gosto de uma caipa de vinho ou uma cervejinha bem gelada,mas ñ vai dar,a S vai ficar cabreira,pode contar que eu cheguei muito tarde em casa.
- só por isto? Então relaxa que ela foi viajar,deixei-a na rodoviária,tem um curso amanhã cedo em Poá e falei para que ela fosse hoje.
- vamos,mas, ñ posso demorar e ñ quero chegar tarde em casa,tenho aula cedinho.
Dirigimos-nos para um bairro onde ele disse que era seguro para ficarmos no carro e também sabia que lá servia caipa de vinho. Em 10 minutos estávamos parando um carro em um destes trailers que vendem lanches,petiscos e bebida.o que ele escolheu fica quase na frente de um dos quartéis,por isto era seguro.
Colocou um CD da Laura Pausini cantando em espanhol,pediu uma caipa e uma cerveja, não trocavamos uma palavra,ele parecia curtir a música e estar pensando longe,chegou nossa cerveja e eu ñ agüentando mais aquele silêncio comecei a perguntar coisas sobre ele, quando tinha se formado,onde morava e ele foi respondendo e também começou a perguntar coisas da minha vida,tipo: se eu já tinha traído antes,se era feliz. Comecei a responder e notei que ele foi chegando de mansinho para mais perto de mim e quando me dei conta estava beijando novamente aquele cara,que beijava gostoso com calma,demorado e eu já ficando exitada, sentia minha calcinha molhar,e isto que ele nem havia me tocado ainda,mas eu gostava do beijo,era bom e também comecei a lembrar do dia em que dei para ele na cozinha, de quanto foi gostoso e inusitado.
Novamente voltamos a conversar e pedimos mais bebida,eu já estava relaxa,dançava no carro e riamos muito,parecíamos velhos amigos de infância,eu já influenciada pela bebida agora o procurava,chegava perto, beijava muito ele,mas ele ñ me tocava. Não agüentando mais de tesão em um dos beijos passei,alisei o pau dele por cima da calça,quando fui tirar a mão ele a pegou,disse baixinho para que continuasse e pediu que abrisse o zíper da calça, foi o que eu fiz,tirei o pau para fora e comecei a fazer carinhos enquanto nos beijávamos.
Estávamos naquele sarro gostoso quando ele pediu que eu mostrasse minha calcinha,perguntei se queria que fosse ali,ele disse que sim,voltei para o meu banco,abri minha calça e mostrei a calcinha enterrada na minha buceta pela calça apertada, pediu que eu baixasse a calça até os joelhos,ñ sei como,mas parece que hipnotizada fiz o que ele pediu. Ele delicadamente passou a mão na minha xotinha por cima da calcinha,depois começou a baixar ela, tentei sem sucesso impedir,mas ele foi descendo,descendo e começou a me beijar,quando me dei conta estava quase nua dentro de um carro em plena rua e o pior é que gostando,completamente exitada. O H colocou um dedinho dentro de mim,enfiou na bucetinha,riu ao sentir que eu estava ensopada,colocou o dedo na sua boa e chupou,dizendo que adorava meu cheirinho,meu gosto. Voltou a beijar minha boca e a me masturbar devagarzinho,eu fazia o mesmo,punhetiava ele bem devagarzinho até que a cabecinha começou a ficar molhadinha,meladinha entre meus dedos, foi quando para minha surpresa ele parou com tudo, pediu que eu ficasse de quatro em cima do banco e virada para trás,novamente tentei argumentar,mas ele insistia e eu o fiz, quando estava na posição ele abriu minha bundinha e passou a língua no meu rabinho,lambeu meu cuzinho fazendo com que eu me arrepiasse inteira,eu estava adorando e foi quando ele sem me avisar enfiou o dedo todo no meu cú, soltei um gritinho,mas logo aquele dedo,o único que conhecia meu buraquinho, começou a ficar gostoso dentro de mim,fui me acostumando e ele pedindo para que eu rebolasse. Não me fiz de rogada e rebolei muito com aquele dedinho metido em mim, ele disse que eu me masturbasse enquanto mexia,pois ia ficar mais gostoso,fechei meus olhinhos e comecei a me masturbar,às vezes olhava na direção dele que me olhava fixo e se tocava também,eu avisei que ia gozar,pediu então que eu parasse,me recompus louca de tesão.
Pegou um lencinho no porta luvas,molhou na cerveja e limpou o dedinho que estava no meu rabo,mandou eu colocar a calça,fechou a sua e fez com o alerta do carro um sinal para o garçom,pediu mais uma caipa e a conta. Eu ñ entendia mais nada,será que ele ia me levar para casa assim,tomada de tesão,resolvi apelar para ser comida e pedi que ele me levasse até a casa dele,que queria sentir o pau entrando dentro de mim. O sacana disse que naquele dia ñ dava, além do mais eu queria me acordar cedo,disse que eu ñ queria ir para casa,que queria ficar com ele,apenas sorrio daquele jeito que eu já estava começando a conhecer,disse apenas que iríamos dar uma voltinha e que depois me levaria para casa, fiquei puta da cara,puxa o cara me deixa louca de tesão e agora quer me levar para casa?????? É muito sacana.
Começamos a passear de carro por umas ruas daquele bairro,ruas com pouco movimento e escuras. Ele pegou a BR e mandou que eu abrisse o zíper e o chupasse,cheguei bem pertinho,beijei-lhe o pescoço,lambi a orelha enquanto abria a calça e tirava o pau para fora,empurrou minha cabeça e coloquei aquele caralho na boca,chupei,lambi,mamei. Estava tão exitada e concentrada no que fazia que ñ reparei que o carro tinha parado,me disse apenas:
- chegamos.
Levantei a cabeça e quando olhei para fora do carro vi que o H tinha parado em um motel,mandou eu fechar sua calça e quando foi descer,disse:
- hoje vou comer teu rabinho.
Estremeci,nunca tinha dado e no tempo que ele estava lá pegando a chave do quarto,tive vontade de sair correndo dali,comecei a pensar,lembrar do que minhas amigas diziam que doía. Quando voltei à realidade o H já abria a porta do carro,entrou,o portão se abriu e nos dirigimos para dentro do carro,abriu a garagem com o controle,colocou o carro no box e me convidou para entrar,falei que só entrava se ele prometesse que ñ ia me forçar a dar a bundinha. Ele sorriu, de novo com aquele sarcasmo todo e apenas disse que sem problemas.
Quando entramos no quarto ele veio para cima de mim, ainda na porta começamos um arreto gostoso, já enfiou a mão por dentro da minha calça, tocou minha bundinha, virou-me de costas e começou a beijar meu pescoço, me chama de casadinha, cadelinha, traidora e eu adorando tudo aquilo, começando a baixar minha calça, me deixou tirar a calça, tirou minha blusa e meu sutiã, deixando-me só de calcinhas, e antes que ele enfiasse a mão em mim,virei,tirei a camisa, a calça e também a cueca, deixei-o peladinho. Abaixei-me e comecei a lamber aquele pau, chupava as bolinhas, colocava uma depois a outra na boca, depois enfiava o pau até trancar na minha garganta, foi quando ele me levantou pelos cabelos, beijou minha boca e me jogou na cama, abriu bem minhas pernas e começou a beijar minhas coxas por dentro,quando chegava à minha xota e eu achava que ia me chupar,passava para a outra coxa, o carinha estava me deixando louca. Enfiou o dedinho dentro da minha xota, pediu que eu chupasse o dedo meladinho,chupei enquanto ele beijava minhas coxas,e foi ai que pedi,chupa,chupa meu grelinho.
Virou-me de costas, abriram minhas pernas, eu já gemia gostoso, e começou a beijar minha bunda, abriu-a e lambeu meu cuzinho, nesta hora eu quase implorei para que comece meu rabinho, ele enfiou a língua nele e tive um arrepio, senti um prazer diferente. Virou-me novamente e deitou em cima de mim, colocando minhas pernas abertas, e veio me beijando os peitos,mordeu,cheguei a dar um gritinho que ñ sei se foi de dor ou prouver,e beijou minha boca,quase arranquei aquela língua de tanto prazer e tesão que eu estava,sentia o caralho bem na entradinha da xota,mas ele ñ colocava,tive que pedir:
- coloca, bota na tua buceta, to louca de tesão.
Ele então colocou minhas pernas nos seus ombros, com a mão dirigiu o caralho para minha portinha, enfiou a cabeça e mandou-meeu rebolar,quando estava curtindo aquela cabecinha lá dentro e rebolando muito ele enfiou tudo,dei um gritinho e começou a socar com vontade, bombeava forte, ouvia o barulho das minhas coxas contra o corpo dele, pela exitação que eu estava avisei que logo iria gozar. Tirou o pau de dentro, me virou de costas, lambeu e depois cuspiu no meu cuzinho, mas enfiou o pau foi na minha buceta, dizia que era gostosa, que meu cuzinho era lindo, que ele estava pedindo para ser penetrado e foi ai que eu sem querer (será?) falei:
- come, come ele, me faz a tua putinha.
- eu sabia que tu ia pedir.
Agora eu ñ tinha mais saída, apontou o pau melado da minha buceta para o meu cuzinho. quando colocou a cabeça eu gritei alto,pedi que parasse,que estava doendo,me agarrou pela cintura e enfiou tudo,a dor foi tanta que cai na cama(eu estava de quatro),gritei,xinguei e ele nem ai para mim. A dor foi passando, colocou um dedinho na minha xota e começou a brincar, me masturbar e eu comecei a gemer, esqueci do pau no meu cuzinho, já ñ ardia tanto, estava ficando bom. No meu ouvido disse que eu continuasse a masturbação, me colocou de novo de quatro, agarrou-me pela cintura e começou a colocar e tirar quase tudo do meu cú dava umas tapinhas na minha bunda e mandava rebolar, ñ consegui continuar a masturbação, fechei meus olhos e curti ser enrabada, agora parecia bom, ñ doía mais e eu tava gostando tanto que mandava que ele enfiasse, socasse, mas ele disse que ia colocar toda a porra no meu cú e foi o que fez,explodiu em um gozo e eu senti aquele leite quente no meu cú, era a porra gostosa.
Tirou o pau, senti um vazio, virou-me de novo, abriu minhas pernas e começou a chupar minha xota, lambia meu sexo com gosto, chupava o grelinho até que eu gozei gostoso, ele continuou mamando, só que agora chupava meu gozo. Subiu na cama e deitou ao meu lado, beijei-lhe a boca e disse que tinha adorado que ñ imaginava que dar a bundinha era tão gostoso. Convidou-me para irmos para o banho, antes ele ligou a banheira de hidro.
Saímos do banho, entramos na banheira,sentei no colo dele e ficamos namorando,conversando e programando como iramos começar a nos encontrar sem que ninguém descobrisse, me fez prometer que eu continuaria estudando, pois eu estou fazendo farmácia e ñ ia seguir a fakul fazendo bioquímica, mas agora eu quero fazer meu curso completo e depois um pós, mestrado e quem sabe doutorado... rsrs...

Ana Paula

Fudida pelo o namorado da minha sobrinha

Bem, o que passo a contar aconteceu há alguns dias atrás,e acabou mudando um pouco minha vida. Sou loira,tenho 26 anos,tenho um metro e 70 de altura e devo estar pesando uns 64(ñ estou na minha forma ideal) e estou casada há 3 anos,moro em uma cidade e estudo em outra. Quando preciso dormir na cidade em que estudo,pois às vezes tenho aula à noite e no outro dia pela manhã,ai fico na casa de uma sobrinha do meu marido.
O namorado dela costuma dormir quase todos os dias lá, mas me dou muito bem com os dois e como fico de favor,ñ reclamo de nada. Já cheguei em casa cansada e ouvi-os transando,ela geme alto,penso que às vezes eles nem se dão conta de que cheguei,pois por respeito entro sempre quieta quando chego tarde em casa (tipo 23 horas).
Como estou em final de curso, às vezes fico até mais tarde,pois saímos da fakul e vamos a um barzinho ali perto. Muitas vezes chego e eles nem notam que chego, tomo meu banho e vou deitar.
Em uma noite destas cheguei eram 1 hora da manhã,entrei como sempre quieta,ouvi música alta no quarto,uma penumbra (acho que era a luz do abajur) e a porta apenas encostada,cheguei perto e ouvi uns gemidos,ñ contive minha curiosidade e fui à fresta da porta,ñ conseguia ver nada,mas ouvia bem os gemidos, até que já exitada,abri um pouco mais a porta,deixando uma fresta maior e pude ver ela de quatro e ele comendo ela com força, senti minha calcinha molhar,mas antes que me pudessem ver sai dali e fui até a porta da rua,abri e bati-a com força para que se dessem conta que eu estava chegando,ouvi ela dizer um oi e logo a porta foi fechada.
Aquela visão ñ saia da minha cabeça,tinha tomado algumas caipas de vinho e tinha ficado exitada, ñ parava de pensar na cena que acabara de ver. Peguei minhas coisas e fui tomar um banho,quando fiquei nua no banheiro,me olhei no espelho,me senti gostosa, com tesão,passei a mão na minha xota,eu estava molhada. Entrei no banho, e ñ resisti, coloquei meu dedinho dentro da minha bucetinha e me masturbei,pensava em ficar de quatro e com o namorado dela me comendo,sentindo um pau diferente depois de tanto tempo,gozei gostoso,mas meu tesão ñ passava. Lentamente me enxuguei,coloquei uma calcinha preta,e meu pijama,fui para o meu quarto.
No quarto só pensava na cena, meu tesão ñ passava,virei de um lado para o outro na cama,até que ñ conseguindo dormir acendi a luz do abajur e tentei ler alguma coisa, queria que aquela cena saísse da minha cabeça, mas ñ consegui,coloquei a mão no meu peito e a outra dentro da calcinha,comecei a me masturbar,estava enlouquecida. A calça do pijama estava me atrapalhando,ñ tive dúvidas,tirei-a e também a calcinha, ficando nua da cintura para baixo, voltei a me masturbar,mas o gozo ñ vinha, ñ queria meu dedo,queria algo maior. Peguei a escova de cabelos que estava no bidê e enfiei o cabo todo dentro de mim, como seu estava ensopada entrou facinho e voltei a me masturbar,meus peitos durinhos e a escova entrando e saindo da minha xotinha. Sem querer comecei a gemer alto, e de uma hora para outra vi a porta abrir,parei na hora era o namorado que me olhava com espanto,nossa que situação, parei na hora,mas a escova dentro de mim me denunciava,ele riu e saiu do quarto.
Fiquei ali,cheia de vergonha,ñ sabia o que fazer,foi quando consegui, depois de uns 5 minutos, sair da hipnose que estava, coloquei meu pijama e achando que ele tinha voltado para o quarto, pois ouvia um ronco,fui até a cozinha tomar um copo de água,mas quando acendo a luz tenho uma surpresa,no escuro estava ELE fumando um cigarro na área de serviço ao lado da cozinha, quase morri, fiquei louca de verdade,mas ele com uma serenidade total disse:
- o que estavas fazendo te deu cede? Cheguei na hora errada? Duvido que tenhas conseguido terminar.
Aproximei-me dele e disse que ñ era o que ele estava pensando,mas ele rebateu dizendo que ñ estava pensando nada e deu uma risadinha sarcástica. Cheguei mais perto tentando argumentar,mas senti aquele cheiro de macho,cheirava a sexo recém feito e antes que eu falasse qualquer coisa ELE foi dizendo que tinha gostado do que viu,que minha buceta era bonitinha,bem depilada da maneira que ele gostava,comecei a pedir para ele esquecer,para ñ contar o que tinha visto,foi quando me agarrou pelo pescoço e puxou-me para ele,nossas bocas ficaram bem próximas e acabamos nos beijando,nossa fiquei molhada,os bicos dos meus peitos ficaram durinhos.
Notei que durante o beijo sua mão procurava minha bunda,tocou,apalpou minha bunda,colocou a mão dentro do meu pijama, passou à mão no meu rabinho,eu tentei tirar a mão (sou virgem atrás),mas ele passou a mão para a parte da frente,roçou com ela meu pelinhos e chegou na bucetinha,estava molhada,virou-me de costas e no meu ouvido disse que ia terminar com o que tinha interrompido,colocou o dedo no meu clitóris,começou a massagear,comecei então a gemer,ELE enfiou o dedo dentro de mim, e colocou a outra mão na minha boca para que eu ñ gritasse. Foi quando eu louca de tesão coloquei os dedos na minha boca e comecei a chupar um por um,eu queria era o caralho dentro de mim,queria pelo menos chupar o pau dele. Passei a mão por dentro da calça que ele vestia,baixei e senti o pau duro,pulsando na minha mão,levemente comecei a masturbar bem de vagarinho,no meu ouvido me chamou de safada,piranha e em um movimento brusco me colocou de quatro na frente dele,mandou eu chupar. Peguei aquele pau e passei minha língua por ele todinho,ia da base até a cabeça,ele pedia para que eu enfiasse todo na boca,e foi oque fiz,coloquei todinho na minha boca e com a mão massageava o saco, tirava o pau da minha boca e punhetiava,ele me agarrava pelos cabelos com força e gemia baixinho,acredito que ia gozar,por que tirou minha boca do pau,deixou-me ali de quatro e saiu,fiquei decepcionada,e resolvi tomar água e deitar. Quando estava terminando de tomar água ele apareceu,disse que tinha ido olhar a namorada,me pegou na cozinha,colocou-me apoiada na cuba da pia,baixou meu pijaminha e ajeitou o pau no meio das minhas pernas,e sem falar nada colocou a cabeça,gemi,pedi dizendo que queria tudo e ele empurrou aquele pau na minha xotinha melada, começou a socar e pedir para que eu rebolasse,nossa como estava gostoso,comecei a gemer,dar uns gritinhos,ele colocou a mão e tapou minha boca,eu comecei a gozar,ele parou de socar,deixando eu sentir meu gozo, e colocou o dedo no meu cú,doeu, mas ñ reclamei e segui curtindo meu gozo. Fiquei quietinha com o pau duro dentro da xota e um dedo no meu cú,chegou à boca bem perto do meu ouvido e disse que ñ tinha gozado ainda,cai na bobagem de perguntar o que ele queria que eu fizesse,riu,me ajoelhou de novo e mandou eu chupar.chupei aquele gostoso caralho, como ele ñ gozava resolvi punhetiar o pau, e logo ele gemeu,avisou que ia gozar,quando primeiro jato saiu molhando meu cabelo coloquei na boca e deixei ele encher minha boca com sua porra. Pegou-me pela mão,levantou,beijou minha boca e disse que queria mais,que queria me comer com calma,eu disse que também queria,falou que ia pensar em uma maneira e que eu também pensasse em como fazer. Disse que ia deitar,mas “mandou” que eu dormisse com o gosto da porra,que ñ escovasse os dentes,pois se não contaria o que tinha visto e acontecido para todos,que ele era só namorado,que ñ tinha tanta coisa a perder,mas que eu sim,pois era casada, deu-me outro beijo,passou a mão na minha xota e sumiu,entrando no seu quarto.
Deitei-me sem escovar os dentes,e adormeci pensando em ficar com ele em outro lugar onde pudesse curtir ainda muito mais.

mica/rs

Flávia...reencontro

Tive com a Flávia durante 3 anos,na época ela era casada, mas ñ se resolvia, foi ai que comecei a namorar e ela nunca mais quis me ver. Fiquei sabendo depois que ela separou e ñ soube mais nada.
Um dia sonhei com ela, resolvi ligar, mas ela ñ atendia minhas ligações, tentei ligar para o telefone fixo, mas ela havia se mudado e também mudado o nº.
De tanto tentar pelo celular ela me atendeu pelo msn. Conversamos um pouco e disse que queria vê-la, que precisava conversar, ela relutava, relutava até que a convenci a vir aqui em casa um dia à noitinha.
No dia combinado,mais ou menos 21 horas ela deu um toque no meu cel e abri o portão da garagem, entrou com o carro e como ainda se lembrava do nº do alarme eu apenas joguei as chaves. Quando chegou na porta do ap,nossa, estava linda de mais, com um vestidinho preto um pouco a cima do joelho, sapatos pretos e com os cabelos soltos e ainda úmidos, entrou,achei que estava nervosa,beijou-me o rosto e sentou no sofá.
Perguntei se queria beber algo, perguntou-me o que eu iria tomar,disse que tinha uma cervejinha, ela riu e disse que necessitava de algo mais forte. Por sorte eu tinha alguns limões e uma vodka, logo fiz uma caipa e trouxe uma cerva.sentei ao lado dela no sofá,ela perguntou o porquê de eu sentar tão próximo, disse que estava com saudades, que tinha sonhado com ela e que ñ conseguia ficar mais tempo ser ter e estar com ela. Tomou toda a caipa de uma só vez e pediu outra,levantei e fui fazer outra. Quando estava na cozinha ela apareceu e disse ñ entender o porquê, o que eu queria com ela. Cheguei perto e a abracei, quando fui beijar ela se afastou e voltou para a sala, logo eu estava ao seu lado de novo.
Sentei ao lado dela, quando passei a caipa para ela fixei bem eu seus olhos e larguei um eu te amo sem pensar, e beijei-a na boca, ela se afastou, segurei pelos cabelos e agora sim ela correspondeu ao meu beijo, dizendo que ñ, que eu ñ merecia, que ela sabia bem o que eu queria.
Larguei o copo na mesa ao lado do sofá e fui beijando com mais vontade, beijei o pescoço e vi que ficava com tesão, eu sabia onde ela gostava de ser beijada. Nesta altura eu já estava de pau duro, e comecei a passar a mão nas coxas, subi por baixo do vestido, foi quando ela tentou sair do sofá, agarrei-a e ela acabou ficando de quatro no chão, não tive dúvidas, agarrei-a por trás,baixei a calcinha e enfiei a língua no cúzinho,ela reclamou, baixei minha bermuda e coloquei o pau dentro da buceta,ela só dizia que ñ, que ñ podia que eu ñ era dela,mas comecei a bombar com força e vi que ela estava curtindo, começou a gemer e disse para enfiar forte,todo,com força que ela queria gozar, que queria a tempo fuder gostoso, ficamos assim ñ mais que cinco minutos, quando notei que a buceta apertava meu pau e que ela ia gozar, aumentei o ritmo e avisei que também iria gozar, disse que dentro ñ, que eu gozasse nas costas, dei um tapinha na bunda e mandei calar, quando ela começou a gozar, gemer alto e eu também pronto para gozar, ameacei tirar, gritou como uma louca: - Não tira, enche de porra minha bucetinha.
Apertou a xota impedindo que eu tirasse, rebolando e gritando, foi quando gozei gostoso dentro, sentia as paredes da buceta querendo sugar meu pênis, parece que queria ñ deixar cair nenhuma gota de porra fora.
Caímos para frente,e fiquei ali dentro,deixando meu pau amolecer e beijando a muito, ela só dizia que era perfeito,que era o pau que a mais fazia feliz.
Levantamos e ela pediu para tomar um banho, dei a toalha, mas quando estava no banho,tirei toda minha roupa e entrei no banho:
- Vem, vem tomar banho comigo
Comecei a ensaboar todinha,ela tem um bunda linda, quando cheguei no rabinho aproveitei que estava ensaboado e enfiei um dedinho no cú, ela deu uma gemida e disse que eu tinha sido o único a comer aquele rabinho,eu ri e disse que era muito gostoso e queria também.
Terminei de ensaboar e ela disse que agora era a vez dela me lavar, começou a me ensaboar, costas,tórax e foi descendo até que começou a passar a mão no meu pau, passou o sabonete,deixou a água tirar todo o sabão,se ajoelhou e começou a lamber minhas bolas, meu pau que já estava duro e dela deu uma lambidinha nele, voltando a lamber e chupar as minhas bolas, colocava uma,depois a outra na boca, me deixando louco, logo colocou meu caralho na boca e começou a chupar,tirava, passava a língua e enfiava tudo até trancar na garganta,eu encostado na parede do box agarrava pelos cabelos e as vezes batia na cara,dizendo, mandando chupar com força,que mostrasse como ela desejava o pau. Notei que se continuasse assim eu iria gozar, e não queria gozar na boca.
Tirei meu pau da boca,levantei-a e a coloquei de pé,virei de costas e enfiei novamente meu caralho naquela buceta, nossa como eu estava com saudades,ela se abaixou um pouco e começou a rebolar como se estivesse no cio,vi que ñ iria agüentar, tirei o pau da buceta,peguei-a ainda molhada e levei para cama,coloquei-a de quatro, peguei um pote de vaselina ao lado da cama e comecei a passar no cú,passei na volta,enfiei um dedo e ela pediu calma.encostei o pau no cúzinho e me pediu carinho,a cabeça entrou com alguma dificuldade,ela reclamou de dor,dei-lhe um tapa na bunda e soquei sem do naquele rabo que eu tanto amo. Enfiava todo e tirava,deixando só a cabeça,enquanto isto ela dizia que era puta,que queria meu caralho,que me amava e vi que começou a se masturbar, aumentou os gemidos,deu um grito e começou a gozar,tirei o caralho e esporriei gostoso nas costas,cabelo.
Cada um foi tomar seu banho, quando nos encontramos na sala me convidou para ir dormir na casa dela,a sexta era feriado, a filha estava com o pai e poderíamos aproveitar. Claro que fui,né...

hypykus68

Ex namorada,casada,gostosa e safadinha

Sai com amigos para tomar uma cerva, entramos na choperia, sentamos e fiquei de frente para uma ex namorada. Ela me cumprimentou no que eu respondi, pedi um chope e comecei a olhar para ela fixamente e notei que ela ficou nervosa.Ficamos ali nos olhando, notei que estava muito gostosa linda mesmo, eu já ñ conversava direito e acho que ela também ñ pq logo me enviou uma mensagem, perguntando se eu estava de carro, respondi que ñ. Ela enviou outra mensagem que se eu desejasse sair caminhando ela me pegaria, pedi há ela 15 minutos.Paguei minha conta e sai caminhando pela rua, passados 5 minutos vi o carro dela passar e parar meia quadra depois. Quando cheguei ao carro ela estava no banco do carona e pediu que eu entrasse, o que lógico atendi prontamente.Entrei e perguntei aonde íamos, ela me respondeu parar em um trailer para tomarmos uma cerva, novamente atendi, paramos e pedimos uma cerva, começamos a conversar e logo o papo passou a ser sobre sexo e ñ demorou em que nos beijássemos no que eu aproveitei e passei a mão naquele corpo, falei no ouvido dela: - Dava tudo para te fuder e vi que ela estremeceu e tocou em meu caralho duro por cima da calça, desci minha boca até o pescoço e coloquei minha mão entre as pernas dela, como estava de saia pude sentir a calcinha molhada, neste momento ela me afastou, abriu minha calça e passou a segurar forte meu caralho enquanto me beijava a mandei chupar, que passou a fazer em seguida, com uma vontade que parecia querer arrancar meu caralho, passava a língua em todo e depois colocava na boca, colocava e tirava com vontade, fiz com que parasse, pois eu poderia gozar. Afastei e mandei que tirasse a calcinha, ela disse que ali não, então me aproximei,passei a mão na calcinha molhada e tirei,deixando aquela buceta desprotegida, me aproveitando disto coloquei o dedo dentro da buceta e comecei a masturbar, deixando ela louca de desejo, quando achei que ela iria gozar parei , eu queria mais.Ela falou, vamos sair daqui??? Claro, paguei a conta e fomos para um motel, enquanto eu dirigia ela me chupava e dizia que era minha puta, que queria fuder gostoso.Entramos na garagem e quando ela ia descer, eu disse espera, calma. Puxei para mim e dei um grande beijo, tirei à blusa a saia e fiquei olhando ela pelada foi quando ela abriu a porta do carro e correu para dentro do quarto, foi quando eu a peguei e a coloquei contra a parede, ela tem uma bunda maravilhosa, tirei meu pau para fora e coloquei entre as coxas mandei rebolar, que pensasse nele entrando gostoso, ela disse para eu enfiar, mas ñ queria curtir mais, virei à de frente e mandei tirar minha roupa, o que prontamente o fez. Quando tirou minha cueca e foi chupar, eu a levantei virei ela contra a parede e coloquei meu pau naquela buceta molhada, enterrando de uma só fez, oque fez com que ela desse um gritinho e começasse a rebolar gostoso, mandando enfiar, socar forte, achando que ia gozar, tirei o pau.Peguei e levei para a cama, colocando de quatro e comecei a enfiar bem devagarinho, queria que agora ela sentisse todo o pau, cm por cm, comecei um vai e vem bem devagar, quando ela disse que ia gozar enfiei o dedo no cú e sem parar de socar disse que queria aquele cú, quando falei isto ela gozou,gemeu baixinho e deitei em cima dela e deixei curtir o gozo. Quando se recuperou, mandei que ficasse de quatro, comecei a chupar o cuzinho dela, cuspir, deixar ele molhado e comecei a colocar a cabeça, neste momento ela começou a mandar enfiar, rasgar, colocar tudo. Fui colocando a cabeça, sentindo cada centímetro, quando enlouqueci vendo a cena no espelho grande do motel, ai fiquei sem pena e soquei o caralho com vontade, ela gritou e começou a mexer, enquanto eu bombava o caralho para dentro do rabo, avisei que ia gozar e ela colocou os dedos na buceta e começou a se masturbar, quando notei tirei o pau e esporriei em jatos fortes na entrada do cú, nas costas.Eu estava realizado, então fomos relaxar na banheira, mas esta é outra história

hypykus68

Dri e Paty,começou por grana

Tem coisas que acontecem e que quando contamos as pessoas custam a acreditar.Sou veterinário e faz um ano que administro uma propriedade perto de Pelotas. Como moro na fazenda resolvi não ter compromissos com ninguém. Quando tenho minhas folgas saio sozinho ou ligo para alguma ex, às vezes cola e saio para me divertir.Cheguei à cidade em uma sexta- feira à tardinha, tomei um banho e comecei a bebericar alguma coisa. Liguei para uma ex, ela é loirinha, acho que mais ou menos 1,67, uns 55 kg, não é uma bonita, mas muito interessante e gostosa, mas o que é melhor é que sempre nos damos muito bem. Tem uma bela bunda, coxas grossas, uma barriguinha sarada e seios pequenos.Eram umas 22 horas quando a peguei em casa, estava muito gostosa, com uma minisaia, uma camisa branca. Saímos e fomos a um bar que nas sextas bomba, com música ao vivo, cerva gelada e sempre com algumas pessoas dançando.Entramos, pedimos uma cerveja e ficamos bebericando e dançando, o que fez com que logo estivéssemos nos beijando. Encostei-a na parede e começei a falar sobre sexo, de como ela me dava tesão, a maneira com que ela mexia as posições que me deixavam louco. Passei a mão pela bunda e notei que a calcinha era minúscula. Reação imediata, meu pau ficou duro e começei a aperta-lá muito mais, fazendo com que sentisse todo o meu tesão.Estávamos nesta, quando me perguntou quem era a morena que nos olhava fixamente. Notei Patrícia, outra ex, com um grupo de amigas, e é verdade, ela nos olhava intensamente.Eu apenas disse:- É uma ex a qual eu julgava estar casada- Garanto que saio daqui e ela vem falar contigo, vou ao banheiroPatrícia é uma morena linda, mais ou menos 1, 70, uns 58 kg, uma bela bunda e seios turbinados (colocou silicone, durante nosso namoro). Sempre foi uma foda gostosa, daquelas que trepa sem preconceitos, e o que é melhor sempre disse quando trepavamos que gostaria de transar com outra mulher.Adriana foi ao banheiro e “ela” realmente veio falar comigo.- Oi, tudo bem?- Comigo ótimo e tu?- Me recuperando, terminei meu casamento há 2 semanas.- que pena, achei que estavas muito bem- Tentei, não deu certo. Quem é a guria que esta contigo?Namorada?Notei o tesão que vocês sentem.- Uma ex, a melhor trepada depois que paramos de nos encontrar.- Dava tudo para ver vocês transando.- Como assim?????- Ando com muito tesão e ainda não tenho coragem de me envolver e pensei que poderia pagar para ver vocês transando.- Pagar? Quanto?- Não sei quem sabe uns 300,00 reais, mas eu só quero olhar- Eu topo, mas não sei se a Drica faria, toparia algo assim- Pergunta e depois manda uma mensagem para o meu celular- OK.A Adriana chega à mesa e vê a Paty indo embora, senta e fala:- Demorei mais porque fiquei observando tu conversar com aquela mulher, te disse que ela ia vir falar contigo.- Tu não acredita no que ela nos propôs, disse que paga 300,00 reais para nos ver fuder.- O que???É louca??????- Sempre te disse que ela era assim, mas 300 não é de se jogar fora. Receber para fazermos o que sempre fizemos de graça e também uma pessoa nos olhando pode dar até mais tesão.Adriana pensou e:- Vai lá e fala para ela que por 400,00 reais eu topo, só que ela ñ pode participar, só olhar e se ela aceitar que venha sentar-se à mesa conosco.Fui até a Paty, contei minha conversa com a Drica e ela me acompanhou até nossa mesa.Feitas as apresentações começamos a conversar, dancei com as duas e fomos bebendo e relaxando. Às vezes pegava a Adriana, agarrava com força, beijava, passando a mão naquela bunda gostosa, até que ela sem cerimônia começou a passar, apertar a mão no meu pau. Notei que isto deixava a Patrícia bem exitada.Já bêbados soltinhos e também com o bar já com pouca gente, levei-as a um canto do bar, mais escuro. Chegando lá, levantei a saia da Drica e disse:- Olha que bundinha, olha a calcinha enterrada no rabo, é assim que eu gosto.Acabei ficando, agora, de costas para a parede, mas de frente para as duas. Adriana abriu minha calça e começou uma leve punhetinha e quando olhou os olhos da Paty, baixou e lambeu a cabeça do meu pau, e logo disse:- Daqui a pouco ele vai estar todo dentro de mim, e tu só vai poder olhar.Pelo rumo que as coisas estavam tomando e por já serem 4 horas da manhã, paguei a conta e entramos no carro (a Drica na frente), foi quando a loira disse para pararmos para beber as saideras.Paramos então no meio da avenida, que pelo adiantado da hora tinha apenas alguns carros parados. Coloquei o carro entre umas árvores, perto de um trailer. Pedimos uma cerva, quando esta chegou, brindamos e a Drica me beijou gostoso a boca, virou-se para a Paty que estava no banco de trás, deitou no meu colo. Guiou minha mão para o meio das suas coxas e me pediu para acarinhar a bucetinha e disse para a Paty:- To cheia de tesão, mostra Fra como estou molhadinha.Levantei a saia, arredei a calcinha e mostrei o quanto aquela xotinha estava molhada, passava os dedos e a sentia encharcada.Drica diz:- Me disseram que tu colocou cilicone? Deixa me ver?- claro, ficaram lindosE dizendo isto a Paty levantou a blusa, e mostrou- Realmente lindos, mas agora pega a máquina e tira umas fotos da minha bucetinha toda molhadinha.Patrícia pegou a máquina e começou a tirar fotos, nisto a Drica tirou meu pau para fora e começou a mamar gostoso, ficando de quatro em cima do banco com a sainha levantada e a calcinha no meio das pernas. Quando eu menos esperava ela montou em mim e começou a esfregar a buceta no meu caralho virada para trás, ou seja, para a Patrícia. Agarrou meu caralho com a mão e colocou na entrada da buceta e sentou gostoso no meu pau duro, começando logo a cavalgar. Notei que quando colocava todo o caralho ela fechava os olhos até que os fechou de fez. Eu olhava a Paty pelo espelho retrovisor enquanto meu pau deslizada dentro daquela buceta gostosa, logo a paty com os olhos fixos na nossa foda, levantou a saia e começou a se masturbar, isto tudo estava me deixando louco e vi que logo ia me acabar. Quando ia gozar, a Drica saiu de cima, lambeu e chupou meu caralho e quando avisei que não agüentava mais, que iria gozar, ela parou, sentou no banco e perguntou para a morena:- Gostaste?- To gostando muito, to com um tesão, nossa....- Para ver mais vais ter que pagar o que nos prometeste.- Vamos passar lá em casa, agora, para eu pegar a grana.Acabei pegando mais uma dúzia de latinhas e fomos até a casa da Paty para pegarmos a grana. Enquanto nos dirigíamos para lá, a Drica ia se masturbando com a saia levantada e a calcinha arriada para o lado, com a outra mão batia um punheta bem de levinho em mim (eu já estava louco para acabar), e assim seguíamos em silêncio. Chegamos, a Paty subiu e nós ficamos no carro conversando e tomando uma cerva, foi ai que ela me disse:- Trouxe o nosso “amiguinho”- Adoro a cia dele, hehehe- Eu sei, por isto que eu o trouxe... será que ela vai gostar???Com este papo começamos a nos beijar e logo a morena estava de volta. Recebemos a grana e nos dirigimos para a minha casa.Quando coloquei o carro na garagem, fiz a volta rápido para abrir a porta do carona e agarrei a Drica,deitei-a em cima do capo, abri bem as pernas, arredei a calcinha e enfiei meu pau, enterrei todo, pois sabia que ela estava completamente molhada. Como sei o como ela gosta, comecei a colocar tudo e tirar, deixava só a cabeça para em seguida enterrar tudo de novo. Os olhos da Paty brilhavam e mandei que ela tirasse fotos, chegou tão perto para tirar as fotos que pude sentir sua respiração ofegante. Assim ficamos um bom tempo, brincando, colocando e tirando, quando resolvi tirar a Drica pediu, disse que não, que queria gozar, continuei socando o caralho, foi quando ela começou a gemer mais alto, deu um gritinho, começou a apertar meu caralho, sabia que estava gozando, pois percebi o gozo, a buceta encharcada e vi que ela ficou molinha. Tirei o caralho, agarrei, puxei pelos cabelos, a fiz ajoelhar-se no chão e ordenei que me chupasse que eu queria gozar na boca, começou a me punhetear e chupar gostoso, logo não agüentei mais e gozzeiiiii como um cavalo, enchendo aquela boquinha de porra. Levantei-a, e beijei-a, ainda senti o gosto da minha porra que ela acabara de engolir. Perguntei para a Paty:- Gostou?Tirou fotos?- Muitas to adorando tudo isto, acho que vai valer os 400,00Drica:- Tu ainda ñ viu nada, rsrsrsrsSubimos para o apartamento, a Drica pediu para tomar um banho, falei para a Paty ficar a vontade e aproveitei para colocar as cervas em um isopor, encostei o sofá na parede e trouxe um colchão de casal, encostando-o no sofá. Peguei também uma poltrona e coloquei na frente do colchão, acendi umas velas e liguei o som, colocando um cd de caverna mágica.Passei pela Paty, que tomava uma cerva em pé, passei a mão pela bunda e disse para ela enfiar a calcinha no rabo, pois ficava mais gostosa. A puta levantou o vestido, enfiou a calcinha na bunda e perguntou se agora tinha ficado gostosa. Não respondi, baixei o vestido dela, pois notei que o chuveiro havia sido desligado, entrei no banheiro, a Drica enxugava-se e fui tomar uma ducha. Saímos praticamente juntos do banheiro, e quando a Paty nos viu, perguntou se também poderia tomar um banho, claro que concordamos.Drica e eu fomos para sala, pegou dois copos, fizemos um brinde e ela me convidou para dançar. Começamos a dançar bem agarradinhos, de olhos fechados, só no embalo da música, foi ai que começamos a nos beijar. Agarrei-a pelos cabelos com força aumentando a intensidade dos bjs, a boca, o pescoço, senti a mão abrindo minha calça e começando a me tocar, bater uma leve punheta ao ritmo da música e falar no meu ouvido que queria o caralho todinho, socado no cú, que queria sentir minha porra dentro do rabo, lubrificando (nunca eu gozara dentro do cú dela). Com estas palavras meu tesão, meu pau latejava entre os dedos, tirei a blusa e atirei-me nos pequenos seios, mamava um e o outro, coloquei a mão entre as coxas e baixei a calcinha até os joelhos, colocando um dedinho a acariciar o grelinho e fui dizendo que era minha puta gostosa, que era minha melhor foda. Drica tirou toda minha roupa, me deixando pelado dançando colado a ela, foi quando não agüentando mais, louco de tesão, abaixei-me e tirei a pequena tanguinha que cobria a buceta de poucos e bem depiladinhos pelinhos. Ajoelhado tirei a calcinha e comecei beijando as coxas por dentro, fui subindo com a língua até chegar à xota, parei, dei uma pequena e curta chupada, mordi o grelo durinho e subi, beijando em seguida o pescoço e depois a boca.Tirei a blusa deixando-a apenas com o pequeno pano que ela dizia chamar-se saia, virei-a de costas para mim e encaxei meu caralho entre suas coxas, pedindo que ela apertasse as pernas. Foi ai que me lembrei da morena, ela estava com a máquina na mão tirando fotos e com a outra se tocava.Mandei á morena sentar na poltrona e coloquei minha loirinha gostosa no colchão. Botei um travesseiro na cabeça e outro embaixo da bunda. Beijei a loira na boca e fui descendo, Beijei o pescoço, os seios pequenos, um e o outro, desci com a língua até a barriguinha, uma lambidinha nos lábios da xota e segui beijando até os tornozelos e voltei a subir pelas pernas, coxas até chegar a buceta molhada, melada. Passei a língua nos lábios, enfiei dentro da bucetinha, lá no fundo, comecei a chupar, morder o grelinho e a ouvia gemer gostoso.Pedi a Paty que deitasse ao meu lado para fotografar bem de perto, quando deitou, tirei a máquina da mão e forcei a cabeça para a buceta exposta, ela timidamente colocou a língua,a Adri abriu os olhos e protestou, falando que aquilo não estava combinado, dei-lhe um tapa no rosto, mandei calar a boca e dei-lhe um grande e gostoso beijo na boca, sentei em cima dela e comecei a passar a pica nos lábios, bater com o pau na cara dela enquanto mandei que Paty continuasse chupando a xotinha, o que fazia ainda meio sem jeito.Adri chupou minhas bolas, o saco, coloquei meu caralho na boca e ela chupou com gosto. Tirei o caralho da boquinha e notei que agora ela gostava da chupada que a Paty estava dando, pois gemia e dizia que assim, logo iria gozar. Enquanto a Paty chupava eu tirei a roupa dela todinha, deixando a só de calcinhas e a fiz chupar de quatro. Enfiei a língua no cú da morena e comecei a chupar ora o cú, ora a buceta, fazendo com que ela começasse a mexer e querer parar de chupar, dei-lhe um tapa forte na bunda e mandei a subir na Drica e beijá-la a boca, as duas protestaram e eu mandei que fizessem, vi uma cena linda, duas belas gatas, nuas se beijando e se roçando, ainda que timidamente, mas como estavam tomadas de tesão.Fiquei com dois rabos e duas xotas maravilhosas a minha disposição, eu chupava uma buceta e logo enfiava na outra e ao mesmo tempo colocava o dedinho ora em um cú, ora no outro rabinho.A Drica gozou primeiro e em seguida a morena se acabou também, demo-nos um beijo a três e mandei que a loira deitasse em cima da morena para fazerem um sessenta e nove, eu queria ver as duas se chupando, com as bucetas molhadas do gozo recente, logo estavam as duas se chupando, enfiando dedos nos rabinhos gostosos, só posso dizer para vocês: que coisa bem linda,nossa...Pisquei o olho para a Drica e peguei nosso amigo (vibrador), enfiei todo sem perguntar na buceta da Paty (10x21), ela gritou, apontei meu pau para o cú todinho molhado pelo gozo que escorrera e tbm pelas chupadas que a Drica havia acabado de dar, a morena gritou, correu uma lágrima, e comecei o movimento de vai e vem, enquanto a loira enfiava e tirava o amiguinho da xota da morena. Avisei que ia gozar, a Drica se preparou para receber a porra na boquinha, gozzeiii e muito, derramando meu gozo na boquinha da loira. Tiramos o amigo de dentro da Paty e beijei a Drica com a boca com gosto e ainda com um pouco da minha porra.Drica disse que agora era a vez dela, que queria tomar no cú (sempre me dava o rabinho quando transávamos). Deitei no colchão, Paty veio com a buceta na minha boca, sentada de frente para a Drica, que chupava e punhetiava meu caralho, o que fez com que ele logo ficasse duro, sentou no meu pau, e senti deslizando para dentro daquela xota que eu tanto amava, tirou rápido o pau da buceta e colocou na portinha do cú, enfiou a cabeça e foi deixando escorrer, entrar todo, agarrou a Paty pelos cabelos e a beijou com gosto e força. Paty avisou que ia gozar na minha boca e começou a tremer gemer, tirei o pau do cú da Drica, posicionei a morena de 4 e soquei na buceta que estava toda larga pelo entrada do nosso amiguinho. Soquei forte, empurrei tudo e logo gozei dentro da buceta, deitei em cima e deixei o pau amolecer dentro.Drica deu um tapa na Paty e disse:- Sua puta, limpa o pau e deixa-o bem limpinho o quero entro do meu cú.Paty limpou tudinho, limpando ele, demorou, mas consegui ter outra ereção. Drica ficou de quatro rebolando o rabo, soquei o caralho todo, sem pena dentro do rabo, ela gemia, mexia e em seguida gozei dentro do cú, ela dizia:- Goza gozzaaa no cú da tua mulher, quero sentir tua porra no me cú, único lugar onde ainda não tinha sentido tua porra.Deitei extasiado no meio das duas, adormeceram,levantei, peguei uma cerva e fiquei sentado na cadeira, observando as duas. Acabei a cerva, deitei no meio das duas e ouvi a Drica balbuciar:- Amanhã quero vocês de novo.

hypykus

Sexta-feira...depois da balada

Sexta-feira, eu e minha namorada resolvemos sair para a noite, nos divertirmos um pouco, pois, fazia semanas que ñ saíamos. Combinamos um jantar aqui em casa e depois sairíamos para um bar que tem música ao vivo e que se pode dançar.Quando cheguei para busca-lá ela me pediu que subisse até o apartamento, queria que eu dessa minha opinião sobre a roupa. Quando cheguei ao apartamento estava linda, com uma saía curta, o que deixava suas belas coxas a mostra, falei que estava muito bonita, ela chegou ao meu ouvido e me disse que estava só de meia calça, sem calcinha, fiquei com tesão e desejei ver, ela disse ñ, mas eu levantei a saia e quase ñ saímos, pois, fiquei com o pau duro e queria muito chupar, comer ela naquele momento. Resolvi esperar, pois a noite seria longa e prometia muito.Quando chegamos aqui em casa fiz uma caipira de rum e terminei de fazer o jantar, ela estava na sala colocando um cd e tomando a caipirinha, quando a chamei entrou na cozinha e o jantar era a luz de velas. Jantamos a luz de velas e tomando cerveja. Tomei meu banho, me vesti e fomos para a noite. O bar fica a uns 12 km aqui de casa, entramos pedimos uma cerva e ficamos por lá namorando, conversando e bebendo. ficamos umas 3 horas, quando ficou cheio de mais resolvemos ir embora.Peguei o carro que estava estacionando na frente do bar e saímos para vir para casa, foi quando eu com muito tesão e lembrando que ela estava sem calcinha, mandei que tirasse a meia calça e levantasse aquela pequena saia, o que ela o fez prontamente, colocando as pernas em cima do painel do carro. Toquei, coloquei minha mão naquela buceta e vi que ela estava encharcada, enquanto eu dirigia coloquei o dedo no clitóris e comecei a masturbar devagar, foi quando pedi que ela abrisse minha calça e retirasse meu caralho para fora, foi o que ela fez, começando a me punhetiar, a mandei ficar de quatro com a saia levantada e que me chupasse, adoro, amo quando ela me chupa, mas aquela visão dela de quatro com a bunda virada para o lado de fora, encostando-se ao vidro e meu pau sumindo gulosamente naquela linda boca, quase me descontrolei, mas a agarrei pelos cabelos e comecei a falar que era linda, gostosa, minha puta o que fazia com que chupasse cada vez mais gostoso. Quase chegando em casa eu não agüentei parei o carro e mandei-a sentar no meu caralho, quando ela sentou e começou a rebolar eu esqueci que estávamos dentro do carro na rua, adoro quando ela senta. Dei-me conta do perigo de fuder ali, perto de um bar e em uma das ruas mais movimentadas a noite, pedi para eu saísse o que ela, embora continuasse a chupar. Estávamos muito perto de casa, coloquei o carro na garagem, fechei o portão, reclinei o banco e ela veio cheia de tesão e sentou no meu pau, ali estávamos tranqüilos, ela começou a mexer, dizer que estava muito bom, no que comecei a chama-lá de minha puta e dei um tapa no seu rosto, vi que os seus olhos brilhavam, disse no ouvido vamos para casa (não era bem em casa que eu queria fuder) ela saiu, baixou a saia e colocou os sapatos. Quando entramos no prédio e subimos o primeiro lance de escadas, a puxei, coloquei ela contra a parede, levantei aquela sainha e de pé comecei a enfiar o pau, quando coloquei todo pedi que ela rebolasse, enquanto eu batia na bunda e a chamava de minha puta gostosa, antes que gozássemos parei,subimos até o apartamento.Quando chegamos no quarto já estávamos pelados, deitei a na cama, abri bem aquelas coxas maravilhosas e comecei a chupar, adoro esta buceta e ainda mais agora que ela tinha misturado meu gosto com o dela, quando achei que ela ia gozar, parei. Deitei na cama e agora queria a ver chupando, ela ficou de quatro e começou a passar a língua no meu caralho, colocava na boca, tirava apertadinho, até que não agüentando mais, a puxei para cima de mim e começamos a trepar, fuder, até que ela me avisou que ia gozar, dei um tapa e mandei que ela rebolasse,foi quando senti o gozo, a abracei forte, senti o coração pulsar. Eu não tinha gozado, mandei que ela ficasse de quatro e comecei a enfiar com vigor, com vontade, até que não agüentando mais avisei que ia gozar, ela pediu para que eu gozasse nas costas, na bunda dela o que prontamente obedeci, ejaculei forte, muito.Sai de cima, deitei ao seu lado, abracei e assim dormimos gostoso, abraçados.

hypykus68

Primeiro casal...viciei

Era uma sexta feira, e resolvi sair com amigos. Fomos a um dos bares mais freqüentados na minha cidade. Quando entrei no bar, estava cheio, e fui ao bar pegar uma cerveja. Ficamos ali tomando e procurando algo de interessante, mulheres bonitas.
Quando fui ao balcão pegar outra cerva senti alguém me tocar nas costas e dizer um oi melodioso, era minha ex que eu sabia ter casado no final ano passado. Perguntei o que fazia ali sozinha, onde estava o marido. Disse que ele tinha ido ao banheiro, e que havia pedido para falar comigo, pois queria me conhecer. Achei estranho e resolvi perguntar o porquê:
- Contei para ele sobre nossas transas e ele falou que queria te conhecer.
- Mas, por que ele quer me conhecer?
- Sei lá, mas gostei da idéia e também estou com saudades e queria saber de ti.
Não sei o porquê, mas ele demorava no banheiro, talvez estivesse cheio e houvesse fila. Aproveitei perguntando como era a vida de casada, no que ela apenas me respondeu:
- Ta né
- Mas era tudo o que tu querias, sempre disseste que querias casar até os trinta.
Foi, quando uma boa noite, e ele a abraça por trás. Era o cara que tinha voltado do banheiro, e foi logo dizendo:
- Prazer, meu nome é Márcio e estava curioso para te conhecer.
- Meu nome é Theo e não sei por que a vontade de me conhecer?
- É que desde que conheci a Paty ela fala muito de ti, e acabou me deixando curioso.
- Agora que me conhece, pode ver que não sou nada de mais.
Continuamos conversando mais uma hora, quando eu disse que voltaria para junto dos meus amigos e também que queria encontrar uma amiga. Despedi-me e fui para junto dos meus amigos. Não os vi mais.
No sábado á tardinha recebi um telefonema. Era ela e perguntou se eu poderia encontrar com ela, e que me pegaria no meu apartamento. Perguntei se ela viria sozinha e o que queria.
- Quero conversar contigo sozinha, tomar alguma coisa e quem sabe relembrar algumas coisas.
- Se é só isto, me pega aqui.
Quando ela chegou estava linda, um pretinho básico curto e bastante degotado. Meu pau mostrou sinais no momento que a vi, e logo perguntei aonde ela iria me levar.
- Vamos até a praia, tomamos umas cervejas e conversamos.
- Ok, pode ser.
Notei que ela estava nervosa, e ao dirigir acabava deixando suas coxas á mostra. Posso dizer que ela é uma morena linda, que foi se descobrindo enquanto namorávamos. Colocou silicone e tinha deixado de ser menina e transformado se em uma bela mulher.
Chegamos à praia e fomos até um bar afastado, me disse que era para não sermos reconhecidos.
Eu disse que tudo bem, pois, não queria rolos para o meu lado. Ela apenas soltou uma bela risada. Eu ñ tirava os olhos do corpo dela e ia lembrando de tudo o que tínhamos feito.
Chegando ao bar pedimos uma original e começamos a conversar:
- Não estou entendendo nada, achei que estivesse feliz no casamento.
- O casamento não é bem o que eu pensava, às vezes é muito monótono
- Mas, o que isto tem a ver comigo? Por que resolveu falar comigo e me apresentar o maridinho.
- Falei teu nome um dia enquanto transava com ele, e desejou saber mais. Já tinha falado algumas vezes sobre nós, mas nunca tinha falado comentado sobre nossas transas. Este dia ele queria saber, disse que era só curiosidade. Falei as melhores e mais abusadas, daquela vez em que achei que ias me rasgar todinha. Pediu para te conhecer, achei estranho, mas como estava com saudades resolvi aceitar.
- Tudo bem, ele já me conheceu. Não to entendendo o porquê de me ligar, pois ele já me conheceu.
- Saudades e me respondeu com um beijo gostoso e apertou meu pau por cima da calça, não tive duvidas e passei a mão pelas pernas. Pedi para sairmos dali. Quando entramos no carro fui logo agarrando, beijando, o que ela respondeu prontamente. Coloquei a mão nas coxas, fui subindo e cheguei à buceta, notei que estava bem molhada, arredei a calcinha para o lado e comecei a brincar com o grelo, mandei parar o carro na praia.
Paramos o carro e ela abriu minha calça e caiu de boca no meu pau, que beleza, ela sabia chupar muito gostoso, ainda lembrava de como eu gostava, mandei que tirasse o vestido, disse que eu era louco, mas acabou mostrando o corpo e pude ver a calcinha preta enterrada no rabo. Cai de boca naqueles peitos siliconados, enquanto seguia com minha mão na bucetinha molhada, tentei abaixar e sentir o gosto dela, mas como o carro ela pequeno não consegui. Ela colocou rápido o vestido, não entendi nada, mas ela pensando estar dona da situação pediu para que eu dirigisse o carro, pois tinha tomado muita cerveja e não iria conseguir dirigir até a cidade.
- Vai me deixar assim, na vontade?
- Preciso ir para casa, não posso chegar tarde e já são 11 h
Fiquei triste, e comecei a dirigir o carro, foi quando pegamos a estrada que ela tirou a calcinha, levantou o vestido, deixando a mostra a bucetinha e perguntado se eu gostava se sentia saudades de fuder com ela. Ficou de quatro no banco com o vestido pela cintura, quem passasse de carro por nós conseguia ver pelo vidro aquela bunda branca com a pequena marca de bikini bem pequena e que contrastava com seu corpo bem bronzeado. Ela tirou meu pau para fora da calça e começou a chupar, disse que queria sentir o gosto da minha porra. Enquanto ela chupava eu consegui molhar meu dedo na buceta e enfiei no cú, foi quando ela parou de chupar, disse um aiiiiiiiii e pediu:
- Enfia este dedo todo, que saudades de dar o cú, goza, goza gostoso na boca da tua puta.
- Vamos lá para casa?
- Não posso é tarde, e lá não vou resistir e vou fuder gostoso contigo, quero ter tempo, mas quero sentir esta porra na minha garganta.
- Cala a boca e chupa que vou gozar e matar tua saudade de porra.
Não demorou muito e gozei muito na boca, e ela pedia goza, goza gostoso na boca da tua puta.
- Minha puta?
- Sim, puta só tua, mulher eu sou dele.
Estávamos chegando na cidade, ela tomou, limpou meu caralho todinho e guardou. Baixou seu vestido e pediu para que eu parasse na minha casa que ela tinha que ir embora.
Nos despedimos com um beijo no rosto, quando ela sentou na direção me chamou. Disse que tinha um presente, passou a calcinha na buceta meladinha e me entregou, apenas dizendo:
- Guarda até que venho buscar
Não demorou uma hora e ela me ligou perguntando se eu não queria almoçar na casa deles, iriam fazer um churrasco e também poderíamos tomar banho na piscina. Perguntei o por quê?
- Ora, ele simpatizou contigo.
- Não estou entendendo muito, falou sobre hoje?
- Claro que não.
- Bem, amanhã pelas 10 horas eu apareço.
Fiquei pensando se deveria realmente ir. Depois de muito pensar, resolvi que iria e como não sabia o que poderia acontecer decidi que iria armado, assim poderia me defender.
Bati na porta e ele me abriu.
- Entra, já estávamos te esperando.
- Espero não ter me atrasado
- Claro que não, costumamos aos domingos almoçar tarde.
Fui entrando na casa, quando cheguei à cozinha encontrai a Paty só de bikini preparando alguma coisa para beliscarmos.
- OI, que bom te ver, espero que goste da nossa cia.
- Bom vou lá preparar as carnes.
Fiquei sozinho com ela na cozinha, e ela perguntou o que eu gostaria de tomar. Falei cerveja e ela me apontou para a geladeira. Quando virei de costas, senti que ela estava me olhando. Perguntei onde era o banheiro, queria me trocar. Foi quando ela me levou até o banheiro e na porta me disse:
- Me masturbei muito ontem pensando no teu caralho me rasgando todinha.
- e por que não desceu na minha casa?
- Queria te deixar com tesão e pensando em mim.
Depois me beijou a boca e saiu. Coloquei uma bermuda e voltei à cozinha. Quando passei por ela para chegar até a churrasqueira encostei meu pau já duro na bundinha e passei a mão pela buceta, apenas disse:
- Se queria me deixar pensando em ti, conseguiu.
Fui até a churrasqueira e ela me seguiu, chegando lá começamos a conversar sobre a vida. Foi quando ela levantou e se jogou na piscina. Ele me disse que se desejasse, poderia ir tomar um banho, que ele ficaria para espetar a carne.
Entrei na piscina e fiquei conversando com a Paty, dizendo que estava gostando, mas achando tudo muito estranho. Ficamos na borda da piscina lado a lado, enquanto ela perguntava sobre a carne ele me alcançou a cerveja. Ela sem cerimônia pegou meu pau embaixo d água tirou para fora e começou a me punhetiar, o cara sentou na borda e começou a dizer que tinha ficado exitado quando ouvia as histórias de nossas fodas e que gostaria de ver a mulherzinha dele gozando comigo que eu poderia fuder ela como desejasse, mas que ele queria ver.
- Engoli em seco.
- Calma relaxa ela quer de mais.
Perguntei o que ela achava:
- To louca de saudade do teu pau entrando e saindo da minha bucetinha, do meu cú.
- Vamos ver se vai rolar (respondi).
O cara voltou para a churrasqueira, ela mergulhou deu um beijo meu caralho voltando logo para a superfície. Não agüentei e agarrei, beijei e como estava com o pau para fora da bermuda afastei o bikini e coloquei o pau enquanto beijava gostoso aquela boquinha. Quando abri os olhos o cara estava olhando tudo, não me fiz de rogado e virei de costas para mim e fiquei de frente para o maridinho. Tirei o bikini e minha bermuda, colocando o pau no meio das coxas e mandei que ela rebolasse se não eu iria bater muito nela. A gata começou a rebolar gostoso, abri a buceta e senti toda melada, não tive dúvidas e coloquei a cabeça dentro daquela xota quentinha que foi abrigando todo meu pau, comecei a socar forte com gosto e só ouvia os gemidos, mas eu queria bem mais que aquela trepada na água.
Tirei-a da água e fiz com que sentasse na borda da piscina, abri suas pernas e comecei uma chupada gostosa, passava a língua no grelinho e enfiava a língua na buceta, ela gemia e o cara chegou perto e foi dar-lhe um beijo e eu falei, não, agora ela é minha sai. Para a minha surpresa o cara saiu e foi à churrasqueira, com a ordem que dei no maridinho ela acabou gozando na minha boca. Sai da piscina, sentei em uma cadeira e mandei que ficasse de quatro enquanto pagava um boquete, a gata sabia o que fazia, enfiava tudo na boca, tirava e mordia a cabeça e logo passava a língua em todo o mastro, e assim foi me chupando até que gozei na sua boca, foi ai que mandei,dando um tapa no rosto que ela fosse e beijasse o corninho. Assim ela fez e ele deu um longo beijo de língua na muiezinha com a boca toda suja de porra.
O cara me chamou, perguntou se eu queria mais uma cerva e que a carne estava quase pronta.
Gostei da reação do marido, não falou nada sobre o acontecido. A Paty veio e sentou ao meu lado, já de canga. Foi quando ele perguntou se ela tinha gostado?
- Sim, mas quero mais!
Quando ela levantou puxei a canga e ficou só a parte de cima do bikini, puxei-a para perto, mandei que ficasse de costas para mim e coloquei por trás o dedo na xota, a guria estava toda melada, melei bem meu dedo e coloquei o na entrada do cuzinho, ela se curvou e atirou o corpo para trás, enfiei o dedo todo no cú, ela soltou um ai, eu apenas disse que estava preparando o terreno. Fui ao banheiro, pois o cara disse que iríamos almoçar.
O almoço foi tranqüilo, falamos amenidades, nada do que havia acontecido. E como a conversa fluia fomos bebendo, bebendo e acho que o cara era meio fraco para bebida, ficou de porre logo.
Ele adormeceu deitado em uma rede, foi quando ela me disse que estava com saudades de tomar no cuzinho. Entramos na casa e fui logo agarrando, passando a língua nos peitos que eu conhecia tanto (antes e depois do silicone) e fui tirando o bikini, deixando peladinha na sala, ela me punhetiava gostoso, e falava que era “minha” puta, queria meu caralho no cú, queria que eu a rasgasse todinha. Já pelados ela me puxou para o quarto, ficou de quatro como uma cadela e pediu para tomar pau.
Ela estava de quatro na cama e eu na beira pedi que ela chupasse gostoso, que deixasse meu caralho bem molhado e muito duro para comer o cú. Ela chupou gostoso e ainda dizia:
- Bate, bate na tua puta, me fode, rasga a cadelinha.
Como não sou rogado, coloquei-a virada para a beira da cama, comecei a passar o pau nas coxas e quando ela menos esperava enfiei todo de uma só vez na buceta, ela soltou um grito e comecei a enfiar e tirar mandei que se ela desejasse que eu comece o cú ela teria que implorar, nisto fui enfiando o dedo no rabo, ela começou a gemer e implorar para que eu enfiasse o caralho, mas que fosse com cuidado. Cuidado o caralho, tirei o pau da buceta e enterrei sem dono no cuzinho, ela soltou um grito e começou a mexer como louca, dizendo:
- Enfia neste rabo, coloca no fundo, goza no cú da tua puta, vem soca, tira e coloca.
Eu comendo aquele cú gostoso, mas quando olhei para a porta o corno estava lá espiando e tocando uma punheta. Tirei o caralho do rabo e fui até o manso, disse que ele ñ deveria fazer aquilo. Mandei que sentasse em uma cadeira, mas antes colocasse as calças. Sentei o trouxa na cadeira e amarrei-o com umas gravatas que estavam no armário.
- Agora tu vai ver que tens uma puta em casa, mas que ela é minha puta.
Vem me fuder, to com tesão, disse que ia brincar um pouco, mas ao invés disso soquei forte no cú da puta, ela urrava, mandava meter tudo. Coloquei meus dedos no grelo e disse que queria gozar com ela, começou a gemar e falar que estava gostando, que estava chegando, foi quando não agüentei mais e explodi em um gozo dentro do cú.
Fui até o outro quarto, peguei minha arma e fui desatar o corno, ela de pernas abertas deitada e toda esporreada, mandei o cara ir e chupar aquele cú imagina que ele disse não, coloquei a arma apontada para ele, sentei na cadeira e mandei de novo, ele foi lá e como um gatinho mamou toda a porra deixando o rabinho bem limpinho. Como estava de pau duro ele quis comer a puta, mas eu disse que ela era minha, mas que podia bater uma punheta e esporrear no corpinho da esposinha putinha, o que ele o fez.
Mandei que fossem tomar banho que eu ia esperar eles voltarem. Entraram no banho e fui embora.

hypykus
No domingo à tardinha recebi um telefonema do corno, dizendo que tinha adorado ver a mulher dele tão submissa e que me pagaria para que eu repetisse. Apenas falei que teria desta vez teria que ser na minha casa e que ele novamente teria que ficar amarrado, o cara topou apenas falou que eu não precisava mais da arma e também que queria ver a esposa, eu e outra mulher e que pagaria por isto.
É claro que topei, e no outro fim de semana............................